terça-feira, 30 de outubro de 2012

o desespero do não conseguir.
o desespero do dia-sim-dia-não. quase tudo tentar. idealizar-alcançar.
tudo papel. só papel.
e seda.
nada voa. nada vive. nada sobrevive a esse eterno mal estar. essa agonia de não ser. de só querer. o desespero de fazer pela metade. maus resultados. protocolo indeferido do dia-a-dia.
é difícil focar sem olhar pra frente - mas eu consigo.
como não planejar? como viver de presente? como não viver o presente?
o interno eterno avesso.
é difícil sentir sem dizer - mas eu consigo.
como continuar sendo só mais um? só mais um nada que de nada vive. que de tudo aceita. que tudo permite. que tudo reclama - que nada muda - que nada vive?

Quais são as flores?
O calor do quarto é in-su-por-tável. E você continua aí, derretendo junto à parede, agarrada ao travesseiro que nem conforto traz.

o desespero instala-se em segurança, calmo. habita junto ao corpo, vira detalhe ao espelho, passa despercebido. vira pó. vira vontades mal pensadas. vira propostas mal formuladas. vira prazos não alcançados, peso enraizado. verso mal escrito, texto mal ensaiado.


o desespero me apatiza.



Nenhum comentário:

Postar um comentário