quarta-feira, 21 de março de 2012

de repente.

meu coração não aguentou pensar que ficaria assim, vazio, por muito tempo, por algum tempo. e foi se enchendo dessa esperança que cresce paixão ilusão com sentido ou não. bombeando e enchendo enchendo sem saber por quê. sem saber se é passional ou consciente. sem saber que se perde, sempre, dentro dessa razão implícita.
meu coração que não quis cansar de bater. que só quis pulsar. e que pulsa, fervente. fervendo. ardendo, empurrando adrenalina-corpo-inteiro. de repente a gente olha e pensa que foi 'de repente'. de repente nem faz sentido, nem vai fazer, mas a ideia é boa. é válida.
as possibilidades. os prováveis encontros. o sabor do desencontro. do desfazer. criar altares.
as tuas bifurcações - as minhas. as novas esquinas. os novos olhos, quem sabe tão profundos ou até mais...








ou até mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário