sábado, 30 de abril de 2011

Seis ou mais.




"
...mas quando a gente menos espera, e quanto menos a gente espera, nossa casa (e não castelo) constói-se a nossa frente, pode ter certeza."




[deve fazer um bom tempo]



sábado, 23 de abril de 2011

Falsa comparação

No primeiro dia, crucifica.
Depois, apatia.
Três dias passados e você já nem entende o que foi. porque tanto sofrimento se tudo passa?
Pra sentir a alegria e leveza dos medos quebrados...
Se for sempre assim, eu aceito. Aceito o sangue inventado. Aceito que as cicatrizes se abram..


Mas eu quero o vinho, tinto e suave, no terceiro dia.


(falsa comparação)

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Tiradentes

Tento dormir com a janela aberta - por esperança de movimento - mas os desertos se invadem mutuamente (o de lá fora com o daqui de dentro).
O céu resolve nublar-se nesses dias em que você não está (mesmo que todos estejam vendo mil estrelas).
São feriados de dor para a morada do sol. Só não pára o meu coração.
Não posso te chorar minha dor esta noite.
sou nó.

segunda-feira, 4 de abril de 2011

não quero

Eu não tenho acompanhado a vida, sinto.
Sinto que as coisas estão passando mil e uma coisas passando perto e longe e eu não estou tocando nada e sentindo muito sem tocar nada e é difícil parar assim deslizando sobre os fatos. estar longe. crescer. estar perto. fundir. dar um tempo, não sei em quê.
Superficialidade que não me deixa cair (dentro de mim). E preciso.
É a metalinguagem dos dias que acaba com a gente.