quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

escassez de tempo.

tarde de chuva repentina, queda de hormônios - e de mim - dentro de mim.
escassez de tempo, tempo que não passa aqui longe.
os tulmutos exteriores são como flores cotidianas de um jardim vizinho - passo e não vejo.
um vento calmo me fere a pele,
um solo qualquer de violão me fere o peito...




peito ferido de ausência tua.



Um comentário: